Mulheres nascem valorizadas. Homens lutam para serem valorizados.

| 17 comments
por The Truth
Título original: O homem “comum” vive na depressão!
Blog Questionando o Feminino
Post original de 04/01/2011


Ultimamente se fala muito da depressão feminina, mas a realidade prova que a depressão masculina é muito mais comum do que a feminina!

Na virada de ano, observei bem o comportamento dos homens e das mulheres! O que eu percebi era que os homens manifestavam pelo olhar, uma tristeza e um vazio enorme. Enquanto isso, as mulheres pareciam felizes e animadas.

Era fácil entender porque isso acontecia. Enquanto elas conversavam em grupinhos, toda hora chegava um cara no grupo e tirava uma delas para conversar. Ou seja, as mulheres manifestavam através da alegria, a segurança de serem valorizadas. A mulher é valorizada pelo simples fato de ser mulher! Elas simplesmente estavam paradas e os homens se aproximavam e iniciavam uma conversa. No final da noite, a maioria dos homens estavam bêbados e deprimidos e com um olhar perdido.

O homem vive a depressão desde sempre, pois a vida dele é marcada por altos e baixos o tempo inteiro. Depois das festas, a maioria dos homens voltam para casa deprimidos. Na ânsia de serem valorizados, os mesmos buscam melhorar em vários aspectos da vida deles. Mas repetidamente eles experimentam o fracasso e sentem que não possuem valor. A luta de muitos homens parece uma luta cósmica. Nada do que eles fazem parece ser suficiente para as mulheres. Assim, eles padecem da depressão, pois sentem que todo o esforço é inútil.

A depressão masculina começa desde a adolescência. Nesse período, os homens já percebem a profunda facilidade que as mulheres possuem nos relacionamentos. Nas primeiras festinhas , os homens já percebem o quanto as mulheres são assediadas e valorizadas e o quanto eles são insignificantes para elas. Muitos deles já começam a sofrer pelas mulheres desde cedo. Muitos deles foram desprezados na adolescência e trocados pelos bagunceiros e violentos da escola, que eram esboços de cafajestes.

A profunda desvalorização que os homens sofrem enquanto são novos é a causa da depressão dos mesmos. Muitos homens tomam inúmeros nãos, foras e ficam traumatizados com o fracasso. Muitos desistem de tentar chamar as mulheres para sair, depois de tantos nãos e foras, pois se cansam de tanto sofrimento e experiências ruins e acabam se “contentando” com a solidão. Então eles passam a maior parte do tempo sozinhos e deprimidos. Outros conseguem um relacionamento, mas estão com a auto-estima tão baixa, que vivem com medo de serem abandonados e tratam a namorada como se fosse a última coisa que eles possuem na vida.

A depressão masculina é real e muito forte. Só que os homens não reclamam como as mulheres. As mulheres reclamam absurdos quando estão deprimidas e chamam a atenção de todo mundo para o problema delas. Mas os homens sofrem calados. Muitos cometem suicídio quando ninguém espera, pois eles escondem a depressão de todo mundo.

Outros manifestam a depressão através de hábitos nocivos. Muitos homens dizem que estão bem, mas fumam e bebem num nível excessivo para quem está bem e feliz. Ou seja, eles camuflam a depressão com vícios e com excesso de trabalho.

O homem novo vive na depressão porque é desvalorizado o tempo inteiro. Ele é humilhado pela mulher que ama. Ele sabe que não terá meios, nem condições de conquistar a mulher que ama e que talvez a mesma não seja o que ele imagina.

Além de ser desvalorizado, o homem novo sofre porque sabe que não achará o tipo de mulher que ele procura. Ele freqüentemente é coerente, mas percebe que o modelo de homem que as mulheres valorizam é incoerente. Essa injustiça provoca no homem um sentimento profundo de impotência em relação à realidade.

O homem muda porque é obrigado a mudar para sobreviver. Muitos homens tornam-se frios e céticos com relacionamentos, pois sofreram tanto na mão das mulheres, que não acreditam mais em amor. E eles estão certo, mas o problema é que eles perdem nesse processo a capacidade de satisfação com os relacionamentos. A frieza resultante de tanta desvalorização resulta numa anestesia que os libertam da dor, mas que também os tornam insensíveis para a alegria.

A depressão masculina torna-se uma frieza na medida em que o homem envelhece, porque tudo o que ele experimenta como bom e positivo, agora parece fake e artificial. A felicidade do homem mais velho parece falsa, pois ela parece ser apenas o resultado de inúmeros esforços. Ou seja, se tais esforços não fossem realizados, ele jamais seria valorizado.

O homem luta a vida inteira para ser valorizado e para escapar da depressão. E quando finalmente é valorizado, tudo o que as mulheres fazem por ele parece falso e artificial. O homem muitas vezes substitui a depressão pela frieza e pelo ceticismo. Ele simplesmente perde a capacidade de acreditar nas mulheres, pois ele agora tem a certeza de que nunca será valorizado pelos motivos que ele acha corretos, mas sempre por motivos interesseiros.

Quando o homem sai da depressão, ele descobre a realidade. Por trás da depressão, há um profundo romantismo. O homem deprimido é romântico e acredita que as mulheres amam os homens pelo caráter deles, pela sensibilidade deles e pela inteligência deles. Só que depois de tantos os fracassos, os mesmos aprendem pela pior via que isso não existe. O romantismo das mulheres é absurdamente insensível para as limitações do homem. O homem novo que é desvalorizado pelas mulheres jamais será valorizado no sentido romântico almejado inicialmente. E quando ele for valorizado, o será pelos motivos mais interesseiros, como por exemplo, uma promoção de trabalho, ou a compra de um carro de luxo.

A cura da depressão masculina é a cura do romantismo. Mas muitas vezes essa depressão se transforma em raiva e revolta, ou frieza e ceticismo. As mulheres não entendem essa mudança e entendem que os homens são insensíveis por natureza e elas as únicas sensíveis da história. Por outro lado, elas são incapazes de entender, que a forma como elas desvalorizam os homens, os insensibilizam fortemente. As mulheres insensibilizam os homens através dos padrões excludentes delas.

Enquanto as mulheres são progressivamente desvalorizadas na medida em que envelhecem, o homem já nasce desvalorizado e luta para ser valorizado. A mulher é valorizada simplesmente por ter um corpo atraente e ela não tem mérito nenhum nisso, pois ela nasceu com esse corpo. Mas o homem precisa lutar para ser valorizado e sofre tanto nessa luta que padece ou da depressão ou da frieza.

A depressão feminina é situacional. Elas ficam deprimidas quando são exigentes demais, ou quando perdem relacionamentos vantajosos para elas, mas não sofrem da depressão da forma crônica como os homens sofrem. Isso ocorre pela seguinte razão: a mulher não convive com o sentimento de não ter valor, porque elas não vivem a rotina do desprezo e da desvalorização como os homens vivem! Já o homem comum, o beta convive com o desprezo e a desvalorização de si pelas mulheres o tempo inteiro.

As jornalistas balzaquianas falam muito da depressão feminina, do dilema das trintonas, quarentonas e cinquentonas. Mas elas se esquecem que essa depressão é efeito apenas do mau uso da liberdade feminina. Mulheres incoerentes e promíscuas tornam-se depressivas na medida em que perdem vantagens sexuais. Trintonas, quarentonas e cinquentonas só ficam deprimidas porque escolheram muito mal e elas sabem muito bem disso.

Mas os homens sofrem e padecem da depressão por mais coerentes que eles sejam. E eles saem da depressão justamente quando descobrem que o que as mulheres chamam de amor é um modelo injusto e interesseiro em quase a totalidade dos casos.

As mulheres querem impor o modelo de felicidade delas à realidade e na medida em que não conseguem, elas tornam-se deprimidas. Enquanto o homem luta para ter valor, a mulher apenas administra o valor que já nasce com ela.

17 comments

Anônimo 12 de agosto de 2012 19:43

Depressao masculina alguns colegas chegaram ao extremo ....sucidio social e afetivo...tentativas de suicidio verdadeiro...cigarro, bebidas, drogas...nem o melhor salario, o cargo o carro são capazes de amenizar o"estrago" feito por uma mulher que saber fazer o jogo do "eu sou mais eu"...e esses pobres presas faceis caindo repetidamente nas maos das algozes femininas

Anônimo 13 de agosto de 2012 09:25

nem sei dizer se eu cometi suicidio social, la pros 16 anos quando vc começa a sair pras festa e tal, eu ja estava acabado pelas dezilusoes amorosas, hj com 24 nunca fui em uma balada ou festa, bjei 2 garotas na vida, q na verdade eu nem queria elas, bjei por bjar apenas, ou em outras palavras, por falta opçao, enfim eu nao tive uma vida social, a minha vida social acabou antes de começar !

Anônimo 31 de agosto de 2012 18:38

Rapaz aí de cima !?
Você não é o único, minha vida afetiva tambem termimou antes de acabar.

Anônimo 14 de setembro de 2012 00:57

Somos quatro.

Rafael 20 de setembro de 2012 01:00

A desvalorização masculina feita pela mulher moderna é muito grande. Se o cara é tratado como um ser invisível por elas, como na maioria das vezes é meu caso, se sente no lucro. Há caras que são desprezados de forma direta, afrontosa, e esses casos são os mais tristes. Mas não desanime, nem se lance a atos autodestrutivos. É um chamado para trabalhar-se por dentro e parar de dar tanta força ao que é de fora, como as mulheres. O romantismo e a postura de bonzinho precisam ser abandonadas, pois você, eu e vários fomos educados para ser assim. É um processo lento, que requer paciência, porque pode levar anos. Com o conhecimento da Real, é preciso reconhecer que não se está capacitado para um relacionamento sério, e entrar de cabeça nas transformações necessárias para se estar pronto quando for o momento certo. O Nessahan Alita entra em detalhes sobre o processo em seus livros, compensa muito conhecê-los. Vá em frente, pois vai conseguir!

Soldado | 22 de outubro de 2012 00:41

Recomendo para os mais jovens esses dois textos de homens mais velhos:

1) Solteiro e feliz aos 35 anos (relato do Karlheinz)

"Muitos de vocês têm vinte e poucos anos e sofrem as amarguras da juventude: carência afetiva, falta de sexo, falta de dinheiro, falta de auto-estima. Venho contar a vocês a minha experiência, e que ela sirva de exemplo e estímulo. Note-se, porém, que maturidade e idade são coisas associadas, mas não iguais."

http://machismoesclarecido.blogspot.com.br/2012/09/solteiro-e-feliz-aos-35-anos-relato-do.html


2) Um resumo da minha trajetória (relato do Odonto, 41 anos)

"Se o cara não sabe chegar numa mulher, ele tem que aprender. (...) Ao meu ver, o homem não deve queimar etapas. Ele deve se relacionar, passar por estas provações, sentir na pele o que é lidar com mulher e seus jogos."

http://machismoesclarecido.blogspot.com.br/2012/09/um-resumo-da-minha-trajetoria-relato-do.html

Anônimo 25 de novembro de 2012 19:16

Texto espetacular!!!! Putz que site incrível! Parabéns!

Anônimo 26 de dezembro de 2012 22:51

O melhor texto que li no site., muito bom.

Anônimo 22 de março de 2013 19:16

Concordo com o anônimo acima. Sem dúvida o melhor texto do site. O diferencial desse é que o autor não faz o personagem "garanhão-bobão" e trata o homem na situação apontada com dignidade (o que é bem diferente de pena).

Infelizmente, estou passando exatamente por isso. Aos 35 anos só tive dois relacionamentos (um deles, um namoro "de verdade" de 1 ano e meio), que me deixaram sequelas graves. Tenho situação financeira estável, casa, carro... mas nada disso me traz felicidade, pq minha vida sexual é frustrada e recorro com frequência à ajuda de "profissionais". Reconheço minha incapacidade de ser atraente e interessante às mulheres, e também confesso que esse negócio de pegação e macho alfa não é pra mim, pois curto a ideia de um compromisso (mas claro que sem a dominação e a humilhação inerentes a esse tipo de relação humana). Meu único orgulho é que NUNCA me humilhei por mulher nenhuma, e não pretendo começar agora. O auto-exílio acabou sendo o remédio para minha dor, remédio este que tem mais efeitos colaterais do que benefícios. Mas é melhor que um tiro na cabeça...

Porém, tenho a dizer que os textos desse blog e do Facebook tem causado em mim um efeito que, em outros tempos, eu nunca acreditaria ser capaz. Em uma semana de leitura, já me sinto melhor e mais feliz com o que vejo no espelho. A jornada é longa, mas o primeiro passo foi dado.

Parabéns pelo texto. Agradeço aos mestres que disponibilizam esse conteúdo precioso gratuitamente na net, ajudando assim milhares de homens nessa situação.

Soldado | 23 de março de 2013 20:29

Muitas vidas foram salvas, não só na sua situação, mas em várias situações. Muitos posts são voltados para quem namora, outros são voltados para quem está solteiro.

O blog é pró-homem: não importa a idade, nem se é casado, namorado, baladeiro, solteiro por opção, ou solteiro por falta de opção.

O objetivo é o desenvolvimento físico, mental, social e profissional do homem.

Bruno Giacon | 1 de abril de 2013 00:22

vocês são foda demais eu tenho um grupo no face chamado Discussing Feminazis, se quiserem estão mais do que convidados a participar.

Anônimo 4 de setembro de 2013 21:18

depois de ler este post conclui que nos encontramos num etero calabouço mental....

Anônimo 21 de outubro de 2013 12:18

Caramba! Eu me indentifiquei muito com este post e, tenho certeza, que muitos outros também. O autor desse post merece um abraço.

Anônimo 21 de outubro de 2013 12:38

Tenho 17 anos, já fui muito rejeitado pelas mulheres e sofri bullyng e exclusão nas epocas de escola. Nunca beijei e acho que ira demorar muito para eu beijar alguem menina. Devido às rejeições e bullyings eu me isolei socialmente, ficando mais em casa e me relacionando com poucas pessoas. Por muito tempo me senti um fracassado e não queria mais viver, já cheguei a montar uma forca no quintal e ficar um tris de me matar sem poder voltar atrás, porém nao tive coragem , então tive que pedir ajuda ao meu irmão para tirar do meu pescoço a corda que estava muito apertada. Atualmente estou realmente mais frio emocionalmente e desiludido com a sociedade, apesar de as vezes eu ter umas crises existenciais. Felizmente meu pai possui condições financeirar para me dar uma boa educação, pretendo então me formar e consiguir um bom emprego e poder me relacionar com mulheres de sem compromisso. Farei de tudo para nao me matar, pois apesar de ter uma vida considera sem valor por muitos e, as vezes, por mim mesmo, quero provar para mim mesmo que sou capaz de viver com este fardo de ser um homem invisível na sociedade. Obrigado Soldado, por disponibilizar tais textos. Ano passado eu ja havia lido Nassahan Alita, mas só este ano eu encontrei blogs relacionados ao tema.

wolf mulsic | 6 de janeiro de 2014 03:03

Tenho 16 anos, e tudo que eu fiz e faço pelas garotas sempre é pouco, ou a desculpa normal, é que é muito. Sofro desde os 10 por garotas, e elas sempre me trocam pelo cafajeste que pode "dar mais pra ela " , não sei mais oque fazer.

Anônimo 18 de outubro de 2015 15:37

Levei vários socos ao ler este post. Tantas verdades

Postar um comentário